Origem da Marca

Contextualização histórico-cultural que motivou o nascimento da marca

O conhecimento e a compreensão do funcionamento da natureza, de forma geral, continua a ser muito pobre e deficitário com consequente desvalorização e inconsciência face à importância de conservação da mesma.

Chegamos a este ponto porque ao longo dos últimos milhares de anos desenvolvemos uma relação com a natureza essencialmente marcada pela agressão e exploração insustentável. Foi algo que os nossos antepassados fizeram de forma tão sistemática e tão presente que acabou por tornar-se cultural e definidor da forma de vida e da mentalidade de populações inteiras (por centenas de gerações).

Figura 1 – Agricultura e deflorestação insustentável

Nos últimos 50 anos iniciaram-se as primeiras movimentações conservacionistas na Europa e assistimos, principalmente a partir do ano 2000, a um aumento considerável do número de iniciativas de sensibilização em prol da conservação da natureza e a um aumento considerável do conteúdo disponível sobre a natureza.

Figura 2 – Manifestação conservacionista e exemplos de conteúdo sobre natureza

Embora as iniciativas de sensibilização/conteúdo disponibilizado sejam uma vitória importante sobre “a ignorância que destrói a natureza” continuam a ser claramente insuficientes.

O desrespeito pela natureza e a desimportância dada às questões ambientais continuam a ser constantes demasiado recorrentes e demasiado comuns no espaço da vida humana. Estas duas constantes são sinais claros da persistência de uma enorme lacuna ao nível de conhecimento e compreensão tanto do funcionamento como da importância conservativa da natureza. Uma lacuna que importa saciar rumo à transformação da mentalidade ecológico-social.

Figura 3 - O desrespeito pela natureza em todo o seu esplendor

Na procura pelo grande propósito da vida (por quem somos e porque é que vivemos) o “encontro com a natureza” e a compreensão da importância da sua conservação são passos fundamentais.

Estamos cheios de natureza, somos natureza, dependemos intrinsecamente da natureza e só existiremos durante o tempo que a natureza existir.

É, pois, fundamental que a espécie humana se reaproxime da natureza para aprender a conhecê-la, para aprender a amá-la e para aprender a protegê-la.

Figura 4 – Conhecer, amar e proteger a natureza

É no reencontro com a natureza que recordamos o nosso passado, compreendemos o nosso presente e construímos o nosso futuro.

Figura 5 – “As pessoas devem conhecer o passado para entender o presente e enfrentar o futuro;.” Nellie L. McClung

Um futuro melhor. Um futuro com mais esperança e com mais equilíbrio para todos. Um futuro com mais abundância e com mais sustentabilidade. Um futuro com mais natureza.

Figura 6 - No final do caminho o encontro com um futuro com mais natureza